Ser sustentável deixou, há muito tempo, de ser uma opção, para se tornar num modo de vida que permite cuidar da Terra e garantir que há um futuro. O alarme soa de tempos a tempos quando circula informação preocupante. Como aquela comunicada a 29 de julho de 2021, altura em já teríamos esgotado os recursos biológicos destinados a esse ano. Mas a emergência de agir deve refletir-se no dia a dia para ser eficaz. Cada ação conta.

Uma cozinha mais ecológica, beneficia não só o ambiente, mas toda a casa, significando ainda frequentemente a redução de custos. Por isso, aqui ficam 7 dicas para uma cozinha renovada e ambientalmente mais sustentável.

1 – Escolher bem a torneira

Menos de 3% da água do mundo é potável. E desta 2,5% está congelada na Antártida, no Ártico e nos glaciares. Por isso, a humanidade deverá contar com apenas 0,5% para todas as necessidades do ecossistema, humanas e de água potável.” [1]

Ao selecionar a misturadora, prefira as que incorporam um redutor de caudal para minimizar o consumo de água. A RODI disponibiliza diversas misturadoras com limitador de caudal em 50%. Caso a sua torneira não tenha essa funcionalidade, utilize um filtro de redução de água. Fará a diferença para o ambiente e para a fatura da água no final do mês.

2 – Renovar e reutilizar móveis

Se os móveis da cozinha ainda estão em bom estado ou com possibilidade de recuperação, opte por restaurá-los ou reutilizá-los. Talvez um novo visual, seja apenas o que necessita. Uma simples pintura pode mudar por completo o aspeto dos móveis e do ambiente do espaço. Se for o caso, prefira tintas sem Compostos Orgânicos Voláteis (COVs), prejudiciais à saúde e ao ambiente. Uma breve pesquisa online apresentará inúmeras ideias de como é possível transformar móveis antigos em autênticas peças modernas e até conceitos mais intemporais.

3 – Preferir materiais de longa duração

A utilização de materiais de longa duração é a base de uma cozinha sustentável baseada na durabilidade dos seus utensílios e equipamentos. No que respeita ao lava-louça, os 95 anos de garantia da marca RODI, permitem antever que está a adquirir um lava-louça de grande longevidade. Adicionalmente, o aço inox utilizado no fabrico dos lava-louça RODI, é composto por 70% de material reciclado. A própria embalagem principal é uma caixa de cartão, que inclui entre 50% a 100% de material reciclado. As proteções dos lava-louças, são produzidas em cartão 100% reciclado.

4 – Optar por aparelhos com boa eficiência energética

Independentemente da dimensão do equipamento, tenha sempre em consideração a respetiva eficiência energética. Opte preferencialmente por equipamentos A+++. O investimento inicial é habitualmente mais elevado, mas o consumo muito menor compensará. Ainda em termos de consumo de energia, uma placa de indução é mais eficiente do que fogões elétricos ou a gás.

5 – Utilizar iluminação inteligente

“Se todas as pessoas do mundo utilizassem lâmpadas de baixo consumo, o mundo pouparia 120 mil milhões de dólares anualmente.” [1]

A iluminação LED é 90% mais eficiente do que outros tipos de iluminação. É também normalmente mais durável. Lembre-se que a iluminação representa em média, cerca de 14% do consumo global de energia numa habitação. [2]

6 – Instalar um triturador de resíduos alimentares

Ao instalar um triturador de alimentos no lava-louça, reduz consideravelmente os resíduos alimentares que de outra forma iria colocar no lixo orgânico. A utilização do triturador faz com que esses resíduos sigam diretamente para o sistema de esgoto. Seguem assim para tratamento nas estações de tratamento de águas residuais.

7 – Plantar a própria horta

Aproveite a renovação da sua cozinha e reserve um espaço para plantar algumas ervas aromáticas ou até pequenos legumes para ter sempre à mão. Além do incrível benefício alimentar, estas pequenas hortas desempenham também uma função decorativa extraordinária.

Ao escolher os materiais para renovar a cozinha, pense sempre no impacto ambiental, social e económico, desde a sua produção até ao momento de os descartar.

Saiba aqui ainda como implementar a política dos 5 Rs na sua cozinha.

Consulte também o relatório de sustentabilidade da RODI.

 

[1] https://www.un.org/sustainabledevelopment/sustainable-consumption-production/

[2] Inquérito ao Consumidor de Energia no Setor Doméstico, do Instituto Nacional de Estatística (INE)